Crescem os investimentos em plataformas de produção de petróleo

O total de USD 81 bilhões serão investidos em plataformas de produção de petróleo em alto no período 2015 a 2019, informa a Douglas-Westwood no seu relatório sobre o mercado no próximo período de cinco anos. O aumento dos investimentos, apesar da redução dos preços do petróleo, resulta dos contratos já assinados para produção de petróleo cuja infraestrutura submarina já está pronta ou em finalização.

O valor anual dos investimentos na construção de plataformas de produção de petróleo devem aumentar de USD 12 bilhões, em 2015, para USD 21 bilhões, em 2017, apresentando redução, em 2019, para USD 17 bilhões.

Esses valores se referem a projetos já contratados, os valores das despesas de capital este ano em novos contratos apresenta redução. O impacto da redução dos preços do petróleo está adiando novos projetos de produção de petróleo, mas, as petroleiras consideram melhor, do ponto de vista financeiro, manter a construção das plataformas para projetos em estágio adiantado para início de produção.

As unidades tipo FPSO (Floating Production, Storage and Offloading) representam o segmento mais importante do mercado com 87 unidades contratadas, cerca de 81% do total. A América Latina vai receber cerca de 30% das 110 unidades em construção que representam 32% do investimento total. A África representa 22% do investimento e a Europa 15%.

Fonte: World Maritime News

Petrobras vai reduzir o ritmo de investimentos em 2016

A  Petrobras pretende reduzir investimento e evitar contratar novas dívidas em 2016, segundo a presidente da companhia, Graça Foster, que participou, ao lado de diretores, de uma teleconferência, na sede da empresa, com investidores e analistas para o detalhamento das demonstrações contábeis do terceiro trimestre de 2014 sem o relatório de revisão do auditor externo.

“Se a área de exploração era prioritária, hoje ela toma uma dimensão muito maior. É prioritária e seletiva, dentro da própria área do AIP [Acordos de Individualização da Produção]. Projetos de menor atratividade, também dentro do AIP, vão para o final da fila. Então 2016 vai estar dentro do PNG [Plano de Negócios e Gestão] 2015/2019, e a essência é a revisão do crescimento da Petrobras nos próximos anos”, disse, acrescentando que a empresa precisava refazer a sua carteira de investimentos e isso já está em andamento.

Para a presidente, o objetivo da companhia no PNG 2015/2019, que, segundo ela, será divulgado em junho deste ano, é a avaliação do tamanho da Petrobras. “O grande mote do nosso plano 2015/2019 é o redimensionamento da Petrobras, em nível da nossa financiabilidade e do que é factível objetivamente ser construído no Brasil ou no exterior. Esse é o mote”, destacou na entrevista que se seguiu à teleconferência.

O diretor de Abastecimento, José Carlos Cosenza, informou que tanto a Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, quanto o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), localizado no leste fluminense, estão passando por uma reavaliação dos contratos. “A Abreu e Lima está em processo semelhante ao Comperj e estamos em função da reavaliação dos contratos das empresas, inclusive das envolvidas na Operação Lava Jato, reestudando”, informou.

Já o diretor financeiro e de Relações com Investidores, Almir Barbassa, disse que, para a divulgação do balanço anual da empresa de 2014, estão sendo considerados os prazos de 120 dias a partir do fim do ano, mais 30 ou 60 dias, dependendo da natureza da dívida. Segundo ele, a ampliação do prazo é uma possibilidade que qualquer empresa leva em consideração. “Nós não descartamos, se enxergamos que é necessário. É uma das alternativas disponíveis e que, se não progredirmos como estamos planejamentos dentro dos prazos que temos, sem dúvida é uma consideração a ser feita”, disse.

Companhia tentará manter os combustíveis com preços atuais

Graça Foster, disse  que os preços dos combustíveis no Brasil estão acima dos valores do mercado internacional, mas estiveram abaixo durante os últimos meses e a intenção é manter o patamar atual.

“Vou trabalhar intensamente para que a gente mantenha esses preços, porque é muito importante para o caixa da companhia. Sabemos que perdemos parte do nosso market share (participação no mercado), porque alguma gasolina e diesel vão entrar no Brasil através de outras distribuidoras, mas, ainda assim, é extremamente importante para o caixa da companhia, principalmente nos anos de 2015 e 2016, que a gente tenha essa diferença a favor para o caixa da Petrobras”, explicou Graça Foster em coletiva na sede da empresa, após participar de teleconferência com investidores e analistas para detalhar as demonstrações contábeis do terceiro trimestre de 2014, sem revisão da auditoria externa.

Fonte: Agência Brasil

Petróleo: Cônsul Geral dos EUA discute investimentos em Macaé

O fortalecimento dos investimentos americanos em Macaé e a importância das parcerias entre o setor público e o privado para o desenvolvimento da cidade foram os destaques do encontro do Prefeito Dr. Aluízio com o Cônsul Geral dos Estados Unidos, John Creamer, ontem (04). A reunião foi acompanhada pelo Cônsul para assuntos econômicos, Matt Strokes, e pelo Secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico, Fernando César Barbosa.

Em sua primeira visita oficial a Macaé, o Cônsul Geral dos EUA destacou o interesse das empresas americanas em expandir sua atuação na cidade, que é considerada referência na área de petróleo e gás.

“Nosso consulado no Rio de Janeiro é responsável por todo o Estado do Rio e temos um interesse muito especial por Macaé, sobretudo por causa da presença de tantas empresas americanas na área de petróleo. Muitas dessas empresas têm interesse em aumentar suas instalações e atividades na cidade”, afirmou.

Segundo Creamer, o consulado americano estuda a realização de parcerias com o poder público municipal para o desenvolvimento de projetos que visem à qualificação dos trabalhadores macaenses.
“Essa foi uma grande oportunidade para trocarmos ideias e experiências para promover o desenvolvimento de Macaé como cidade e também sobre programas para responder às necessidades dos moradores da cidade. Foi um encontro muito interessante em que aprendi muito sobre Macaé, vamos pensar na cidade como futura parceira e trabalhar para assegurar o sucesso da cidade e das empresas aqui instaladas.”
Durante o encontro, o Prefeito ressaltou a importância da indústria do petróleo para a economia da cidade e os projetos em andamento para melhorar a infraestrutura do município, como os investimentos em saneamento básico e nas estradas Norte-Sul e Santa Tereza.
Para Dr. Aluízio, para alcançar um crescimento sustentável e que alie o desenvolvimento econômico ao social é preciso uma aliança entre o poder público e as empresas privadas na busca de soluções duradouras e que tenham enfoque no bem-estar da população.
“Todo caminho para aproximar o governo do setor privado é válido, pois é com a solidificação dessa interface que podemos buscar soluções que realmente tragam um impacto positivo para os moradores. A indústria tem uma grande importância na cidade, pois é uma grande geradora de renda e de empregos. Faremos o que estiver ao nosso alcance para que as empresas sintam-se bem-vindas na cidade e estamos abertos ao diálogo para que elas nos ajudem a fazer de Macaé uma cidade cada vez mais forte e melhor para a população.”
Fonte: Macaé Offshore